Conto: O baile das formigas

         O baile das formigas: um conto para ler com o seu filhoO baile das formigas (Foto: Daniel Kondo)
Chateada com o trágico final da história da sua irmã, a jovem cigarra resolveu imitar a formiga. Neste verão, nada de farra! Trabalharia incansavelmente. Bom, talvez nem tanto assim... Mas estava decidida a não aceitar os convites da turma para as cantorias de sempre. Quem disse que não dá  para trabalhar cantando?

E foi assim que a jovem cigarra encarou o batente, cigarreando com energia e vibração do raiar do dia ao pôr do sol. Lá pelas tantas, exausta e sem o menor pique para emitir seus famosos agudos – mas com o freezer bem abastecido para enfrentar o inverno! –, resolveu se dar uma noite de folga. Só então percebeu que ainda não tinha cruzado com a formiga.

Que estranho, será que aconteceu alguma coisa? Duvido!  Ela e aquela turma de operárias são tão prevenidas!  Ou… Será que estou perdendo alguma coisa? Estava. Descobriu tudo assim que saiu perguntando pela floresta.

– A formiga agora passa a noite na balada! – contou  o grilo, louco para cutucar a cigarra.
– Como assim? Aquela… aquela… certinha? Na balada?
– Acontece que ela inventou a coreografia
do passa-passa-folhinha!
– Passa o quê?
– Fo-lhi-nha! Todo mundo leva um estoque e se  diverte dançando no ritmo das formigas! Elas montaram uma banda e ficam só na supervisão, estocando as folhas. Parece que todos os formigueiros da região  já estão abarrotados!

A cigarra ouviu tudo aquilo mudinha. Na verdade, tinha ficado atônita, sem conseguir soltar nem um zzzzzzi desafinado. Mesmo assim, voltou para casa tentando se consolar: afinal, não morreria de fome no inverno, como a  sua pobre irmã... Pois é, tinha muita comida, só não  tinha mais vontade de cantar.

Moral da história: mesmo quando a cigarra canta, a formiga dá baile!

Para crianças a partir de: 3 anos

Silvana Tavano é escritora e, de vez em quando, tem seus dias de cigarra. Mas gosta mesmo é de trabalhar o tempo todo, com alegria e imaginação, como a formiga desse reconto, baseado na mais famosa fábula de La Fontaine.

Daniel Kondo é ilustrador, cartunista e autor de livros infantis. Desenha ideias de todo tipo: algumas se transformam num formigueiro, como esse, onde a história de sempre ganha espaço pra acontecer de um jeito tão diferente.

Comentários
1 Comentários

1 comentários :

  1. a história parece bem legal, fiquei com vontade de ler pro meu filho
    beijos

    www.marianacordeiro.com

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar, seu comentário sera publicado assim que for aprovado. Bjss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...